quarta-feira, 28 de agosto de 2013



TESTAMENTO AMOROSO


Nem são muitos os meus amores
Mas são fortes e deles me recordo.
Na infância, datam amores caseiros:
Vovó Dadá, tia Lili, os principais.

Nas brincadeiras foi a Isa de pêra ou uva.
Pouco mais além, amei Nali também.
Adolescente amei Lia, a grande paixão.
Depois amei Teresa até o casamento.
Doloroso mas necessário o primeiro divórcio
Regina me trouxe alento e renovado estímulo.
Mas foi Silvia a violenta paixão adulta, adorada.
E Ida uma querida renovação juvenil.

E outra Lia, me trouxe a vida, a ser vivida
Com a lembrança querida de sete mulheres amadas
E que assim foram, são e sempre serão
Queiram elas ou não.
Um outro equivocado casamento mas com divórcio de alento
Mostrou que me havia tempo e espaço amoroso
Para concluir meu primeiro testamento,
No qual caberiam importantes paixões passageiras
E amores inconclusos: Marilza, Gisa, Lisia.
Todas vividas em feliz passado, mas à limpo presentes,
Amadas, também, queiram ou não.

Meu inventário, talvez ainda provisório,
Provavelmente concluído, me contém Tetê,
Que, sendo o meu presente, é síntese do meu espólio,
Minha parceira achada, minha mulher amada, minha vida.
Uma vida amorosamente dividida, com duas outras mulheres
Que meu passado legou: minhas queridas filhas Mariana e Carolina.

À todas e tantas mulheres amadas, agradeço por as ter amado
E com elas aprendido o que fui capaz de entender e dar fé,
Até o ano da graça de 2013, dado e passado.

Nenhum comentário: